Charlie Hebdo?

Jamais.

O mal pelo visto se entredevorou por estes dias. Menos de uma dúzia de radicais ateus foram exterminados por radicais muçulmanos que geralmente dizimam muitíssimo mais do que isso…

E o mundo hipócrita rasga suas vestes pela morte dos terroristas de caneta e pincel!

Mas quando os outros terroristas – os de fuzis e bombas – exterminam populações inteiras de cristãos ou outros não-muçulmanos, como têm feito praticamente TODO DIA na Nigéria, com o Boko Haram, responsável por dez mil mortos só no ano passado, com o Isis que expulsou pessoas de suas casas com a roupa do corpo, fuzilou, separou famílias, coagiu pessoas à conversão, tirou mulheres de suas casas para a prostituição, crucificou cristãos, (e esses dois grupos são apenas dois dos muitos grupos radicais que maltratam os cristãos e não-conformistas), fora a retaliação contra os cristãos vinda diretamente da parte de governos como entre os saudistas e o governo paquistanês, onde o drama de Ásia Bibi inunda por tanto tempo nossas caixas de mensagens… Tudo isso não causa um décimo destes protestos.

O que aqueles cartunistas maçons e antirreligiosos faziam no entanto, era ABOMINÁVEL, era detestável, era torpe. De forma que ver a destruição de qualquer um dos lados – o Islâmico ou o ateísta – chega a dar uma tentação de júbilo, tal é a sede de justiça que temos, tamanhas são as vexações que os cristãos hodiernos sofrem, não tendo vez nem voz sequer nos próprios tribunais franceses (e com isso recordo da profanação das bruxas do femen em plena catedral de Notre Dame, onde o judiciário francês deu ganho de causa a elas, e ainda condenou os seguranças do local pelo crime de tê-las impedido de permanecer profanando a catedral!).

Bem,  não é para aplaudir o derramamento de sangue que desperdiço meu tempo. A morte para o ímpio é o começo do desespero. Todos os homens depois da morte cairão na eternidade. Uma vez mortos, todos seremos imediatamente julgados no juízo particular, em que o Justo Juiz confirma a alma na trajetória que em vida a mesma se obstinou a seguir. Quem neste mundo abusa da liberdade e se afasta por própria culpa de Deus, terá sua vontade respeitada no outro lado, sem possibilidade de mudança de percurso. É como se diz: “a árvore cai pro lado que pende”. E estando a alma apodrecendo no Inferno, resta o dia do Juízo Universal, onde a ressurreição dos corpos unirá à alma danada um corpo grotesco, distorcido pelo pecado, e os homens pérfidos desta forma serão sepultados vivos nos eternos abismos… É algo tão horrível, que nenhum cristão pode desejar o inferno nem mesmo ao pior dos homens, porque é pena tão brutal que ultrapassa o raciocínio humano. É algo indizivelmente pior do que as piores previsões jamais imaginadas.

Mas quem julga é Deus. Não sabemos com certeza o destino das almas, exceto em casos raríssimos permitidos por Ele, com o intuito de converter as almas, glorificá-Lo ou fazer frutificar atos de Caridade Sobrenatural ou outras Graças igualmente importantes… Há quem se salve no último segundo, o que é uma exceção, e JAMAIS uma regra. Mas em muitos casos das almas que se lançam no caminho do pecado em vida, Deus, diante disso, respeita-lhes o livre-arbítrio, porém abrevia-lhes a vida física como o único gesto possível de exercer Sua Misericórdia sem negar ao pecador a sua liberdade, fazendo-lhe um bem, pois não estende mais o tempo a esta alma maligna, que se condena e vai pro inferno, mas sofre penas menos abomináveis do que mereceria, caso permanecesse mais tempo na terra. Assim como no Céu existem graus de Bem-Aventurança, onde quem mais se uniu a Deus em vida maior Glória possui na Eternidade, também no Inferno há graus de desgraça, onde todos sofrem horrivelmente, mas uns são punidos com mais rigor que outros por terem sido os primeiros mais torpes em vida que os últimos. Mas a respeito dos que morreram neste episódio, onde estão agora não é para nós uma certeza, portanto é especulação.

Não compartilho em absoluto o escândalo farisaico desta mídia nojenta. Não foi a revolucionária liberdade de expressão a real atacada. O jornaleco era habituado a ofender as religiões escudado na liberdade de expressão – que mais parece um direito a crimes de ódio antirreligioso sem represálias – e foram aventurar-se com o Islã, foram tratar os islamitas como se a trajetória, a origem desta falsa religião, assim como as vicissitudes e dificuldades pelas quais os cristãos passaram por todos esses séculos fossem compartilhadas pelos maometanos.

O Islã é um mundo paralelo, onde os conceitos cristãos de amor ao Próximo, Caridade e Misericórdia NÃO EXISTEM.

A sociedade contemporânea apostatou, separou totalmente a vida espiritual do dia-a-dia, mas a sociedade islâmica concebe a religião e o dia-a-dia como uma coisa só. Ou seja: o Islã praticamente vive como nos tempos de sua fundação, com poucas variações. Estão alheios aos “valores” pagãos ocidentais. Aliás, detestam estes valores… Os muçulmanos geralmente são avessos a misturar-se com os ocidentais, vistos como ímpios e depravados (no que em muitos casos estão certos) que só servem para viver caso se convertam ou se tornem cidadãos de segunda classe. Eles detestam o mundo ocidental, exceto pelas suas vantagens materiais ou sua relativa liberdade, mas geralmente a maioria dos que para cá se dirigem tenta reproduzir aqui seus modelos de família e sociedade dos seus lugares de origem. Não aceitam de bom grado ser assimilados, e fora uns gatos-pingados que lhes servem de diplomatas (geralmente algum imã que vive no ocidente e que participa de encontros ecumênicos ou aproveita as mídias para vender um islã de paz e amor, contrário ao que chamam de “distorção” do verdadeiro Islã), com o intuito de atrair seguidores ou manter a lua-de-mel com a opinião pública (sempre muito simpática em propagandear o Islã ou dissociá-lo do fanatismo e da violência que são da natureza do próprio Alcorão), a maioria dos muçulmanos concebe este mundo como palco de guerras entre o islamismo e os heterodoxos = nós!

Acontece que o mundo islâmico conserva os mesmos valores desde o tempo de seu fundador. O Islã não sofreu com as revoluções, o islã não sofreu com nenhum modernismo, o Islã não teve um concílio “Meca II” para substituir suas bases tradicionais por doutrinas liberais. Resultado: foi contra gente deste tipo que os ateus franceses se meteram a achincalhar. Os obtusos jogaram pedras, quiçá acostumados com a falta de verve dos que se dizem cristãos, acovardados com o “politicamente correto”, ignorantes da própria história, sempre prontos a ter como verdade as mentiras que atribuem à Igreja, e amolecidos pela vida mundana que levam. Só que séculos de revoluções e propaganda mudaram a cosmovisão européia de cristã para neopagã. Mas isso não se aplica ao Islã: ao levarem uma pedrada, ripostaram com um meteoro, brutais como sempre… E além disso, os cristãos sabem que a Vingança pertence ao Senhor. Mas isso não é preceito islâmico. Eles mal se suportam, quanto mais a uma dezena de ímpios que lhes provoca a fúria.

É o que dá mexer em onça com vara curta. Não aplaudo nenhum dos envolvidos, antes deploro a todos. Os cristãos deveriam se manifestar com muito barulho, mas contra o ódio islâmico que os extermina, seja no Egito, no Paquistão, no Irã, no Sudão ou na Nigéria (e quem dera fossem apenas nestes lugares!). Deveriam manifestar-se ruidosamente contra o ódio antirreligioso e blasfemo movido pelos governos e pela sociedade, que reserva a Cristo e seus seguidores o único grupo em todo planeta pelo qual é legítimo maltratar, perseguir e cobrir de injúrias sem ferir o “politicamente correto”. Deveriam desnudar as contradições da chamada liberdade de expressão, que é usada contra nós como um ariete, e ao mesmo tempo servindo como escudo para nossos inimigos, que praticam seus crimes de ódio anticristão à vontade, dizem ou caricaturam o que bem entendem da maneira mais ofensiva e irresponsável possível, sem um mínimo de empatia, sem jamais colocar-se no lugar das suas vítimas e perguntar-se se desejaria o mesmo tratamento, caso estivesse no lado oposto. Tudo isso acobertado pela opinião pública e pelas leis. Ou seja: a liberdade de expressão pode ser traduzida para nós como direito dado aos nossos inimigos para nos discriminar, difamar, incitar o ódio da opinião pública contra nós, tudo isso debaixo dos aplausos do mundo e da proteção da justiça. E aí de quem levanta um tímido protesto que seja! Eles têm o direito de bater, nós temos o direito de apanhar em silêncio.

Portanto, se eles agora se estranham, que sejam seus próprios carrascos.

Sobre Bruno Luís Santana

Ego Catolicus Romanus sum.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Charlie Hebdo?

  1. Bonifacio Vieira disse:

    Prezado irmão na fé: Tendo lido as últimas postagens no Fratersinunu e os possíveis comentários, incluindo o seu, a respeito dos acontecimentos políticos no Brasil, decidi também postar uma reflexão, que ao meu ver contribui muito para nós católicos. O Fraters simplesmente deletou meu comentário. Enviei um e-mail pedindo que me dessem explicações e apontassem os meus erros. Eles simplesmente ignoraram minhas palavras. Até mesmo a frase “retira primeiro o cisco do teu olho para depois tirar o dos outros” postada em resposta a um outro irmão na fé, também foi deletada. Veja: uma frase dita por Jesus e que o Fraters apagou. Afinal, quem são eles? Acredito que as armas da Igreja são espirituais, por isso enviei as palavras abaixo ao Fraters e agora a você, tendo em vista que há uma mensagem sua naquele Blog. Gostaria, sinceramente, caso não concorde, que você possa excluí-lo, mas peço, por caridade cristã que reflita ou me responda por e-mail. Eis o texto: “É de causar compaixão ver tantos blogs católicos, dos mais diferentes matizes, induzir o povo para que vá para as ruas exigir a saída da mandatária da nação e outras coisas mais. Todos esses cristãos que se prestam a esse tipo de coisa estão muito longe de Jesus e de seus ensinamentos. Quando Jesus passou por Jerusalém, a cidade e toda a região vivia dominada pelos romanos, mas em nenhum momento, o Senhor convocou o povo e seus discípulos para fazerem marcha disso ou daquilo. Que contraste com os supostos cristãos de hoje que pregam a revolta, quando o próprio Senhor pediu para que rezássemos pelos perseguidores. Imagine se houvesse um decreto presidencial condenando à morte todos os católicos, como fizeram com Cristo. Já podemos ter uma visão dos blogs católicos: “Irmãos, oremos, porque eles não sabem o que fazem”! Que contraste!!! Não, mas não é isso o que fazem os defensores da fé que promovem a excitação do povo, pois quer queiramos, ou não, essa mulher foi eleita dentro das leis vigentes do país. Acusam-na de tudo, vociferam palavrões a torto e a direito, e como papagaios vivem repetindo o que os barões da mídia brasileira espalham para defender seus reais interesses. Essa mesma mídia que faz de tudo para derrubar a Igreja! Jamais devemos seguir os corruptos e suas ideologias, no entanto, devemos agir contra o pecado e não contra o pecador. Não teria sido muito melhor se esta multidão que saiu às ruas no dia 13 e dia 15 clamasse a Deus por conversão e se vestisse de saco por tantas ofensas cometidas ao Senhor. Quantos abortistas de carteirinha desfilaram de verde e amarelo pelas ruas gritando contra os criminosos comunistas; quantos defensores de uniões homoafetivas; quantos adúlteros; quantos velhacos; quantos jovens que maltratam seus pais; quantos arrogantes que fazem do transito uma arena selvagem; quantos e quantos são adeptos do levar vantagem em tudo; quantos comerciantes que roubam para ter lucro exorbitante; quantos sonegadores; quantos e quantas que esbanjam dinheiro com supérfluos e não repartem nada com ninguém, etc, etc. Ah, se o senhor perguntasse: ergam as faixas e cartazes aqueles que não tem nenhum pecado!!!! Ah, se alguém resolvesse distribuir os milhões que são roubados àquela multidão que foi as ruas, com a condição de que fossem embora. Quantos aceitariam o dinheiro? Muitos, ou talvez todos! Verdadeiros fariseus hipócritas que só conseguem ver o cisco no olho dos outros e agora saem às ruas empunhando a bandeira da moralidade. Que hipocrisia! Rezem, dobrem seus joelhos. Tenhamos a coragem de tirar nossas máscaras para que possamos fazer da Internete um meio de evangelização onde o amor, a misericórdia e a verdadeira doutrina sejam a nossa bandeira, mesmo que isso nos leve ao martírio. Não induzam o povo a lutar pelo reino deste mundo perecível, onde tudo acaba, tudo passa, assim como todos os governos que surgem e desparecem. Não inflamem o povo a ceifar o trigo no meio do joio, pois esta tarefa cabe Áquele que um dia virá no fim dos tempos para fazer a colheita. Enquanto esse dia não chega, ofereçamos nossas preces, nossa outra face àqueles que podem matar o corpo, mas não podem matar a alma. Essa é que é a verdade irmãos!!!

    • Prezado Bonifácio,
      Nada coloquei em meu blog, aliás nem mesmo lembro de ter comentado nada a respeito, porque não é o meu foco no Fratres.
      A solução para o mundo não é política, é moral. È religiosa. Ademais o Brasil é um país que enveredou há muito tempo nas sendas da imoralidade e do vício, consequências do abandono da Lei de Deus.
      Por outro lado, politicamente falando, estamos diante de um governo em que muitos contestam as eleições, visto que as mesmas, apesar de aceitas formalmente, foram feitas através de contagem SECRETA, o que inviabilizaria qualquer eleição séria. Como provar se a contagem foi séria ou fraudada?
      O PT é um partido revolucionário que almeja a total revolta contra a Lei Natural, promovendo a igualdade absoluta, o divórcio, casamento gay, aborto e outras abominações, além de que tem um projeto de poder confesso. Usa da democracia liberal como escada para a ditadura, e transforma até mesmo coisas reprováveis como a corrupção em algo natural, e portanto, aceitável.
      Neste sentido, digo que é legítimo que se pressione não apenas o PT, mas todo o sistema político brasileiro. A república está em colapso, ela é toda viciada, e muitos que pedem pela ditadura (o que julgo uma temeridade) o fazem por saber que no fundo, tirando o PT, os escândalos de imoralidade e corrupção continuarão do mesmo jeito.
      Portanto, no frigir dos ovos podem estar evitando um mal maior, mas impedir o PT será sempre um paliativo. Mesmo que se deitasse abaixo a república e se restaurasse a monarquia, ainda assim seria um paliativo, porque, como você mesmo reconhece, o pecado que abriga o coração das pessoas desta nação, o “jeitinho brasileiro”, as pequenas corrupções que se consentem aqui e ali, não apenas as dos políticos, mas entre o povo que não é fiel a observar a entrada e saída quando bate ponto, do que aceita o troco a mais ou pretende tirar vantagem em tudo, esses corações é que tem que ser mudados.
      Por isso dizem que cada povo tem o governante que merece. O PT deve seus votos sobretudo a uma massa de pessoas que se deixaram corromper quando condicionaram seus votos a manutenção de fies, de bolsas-familia, de cargos políticos conquistados, de garantia de que não perderiam seus empregos. Trabalho no Banco do Brasil, que é 51% do Estado e 49% da iniciativa privada. A maioria dos meus colegas votou no PT não tanto por concordar com o partido, mas por medo do PSDB privatizar o restante das ações, por medo de não conseguirem novos aumentos salariais depois da greve. Cada um com sua razão, mas deixaram-se corromper, transformaram seu voto em moeda de troca, colocaram seus interesses individuais acima dos interesses da nação. Agora talvez quebremos e a recessão afete a todos. Mas merecemos o PT, porque os políticos não vieram da lua. São gente do povo que conseguiu chegar a estes patamares. Muitos dos que protestam agora talvez fizessem igual se tivessem a chance, se tivessem do lado de lá.
      E finalmente, mesmo a esmagadora maioria dos batizados como católicos, de católicos não tem mais nada, são pagãos de pensamento e de dia-a-dia. Por isso digo que em última análise o problema é religioso e moral, e é um problema pessoal, de cada brasileiro.
      Não digo que é ilegítimo pressionar o atual governo, em virtude do mesmo se empenhar em tornar a sociedade totalmente desestruturada, o que significa a promoção de toda a cartilha antinatural existente hoje em dia, o que simboliza a perfeita abolição da Lei Natural e da Lei Divina em todas as suas instâncias.
      É um paliativo e quem busca isso muitas vezes são pessoas tão ou mais ímpias que os próprios governantes. Mas se no meio de tudo isso há algum sintoma de freiar a revolução, penso que deve ser encorajado.
      A oração é uma forma de luta superior à ação. Mas sacudir um pouco o jugo e mostrar que não estamos eternamente passivos, quem sabe se isso ao menos não atrapalhe os progressos do leviatã revolucionário?

      • Bonifacio Vieira disse:

        Prezado Bruno:
        Li seu comentário e devo dizer da minha alegria por você tê-lo publicado. Sua palavras refletem uma forma de pensar e devem ser respeitadas, tanto pelo conteúdo, como pela sinceridade com que foram escritas. Gostei do que você escreveu e peço a Deus, nosso amoroso Pai, em nome de seu Filho, que nos encoraje, que nos faça irmãos e acima de tudo que nos dê a força para agir como Santa Bakita que ousou louvar a Deus pelos carrascos que a torturaram e a venderam como simples mercadoria, porque sem isso, conforme suas palavras, não teria conhecido a Deus e seu amor de Pai. Ou ainda como São Paulo e Silas que não reclamaram do cárcere, mas entoaram hinos a Deus, pois todos o que seguiam a Cristo, sentiam-se felizes por sofrerem afrontas por causa Dele. Obrigado por suas palavras e peço a Jesus que o abençoe sempre e faça deste Blog um espaço onde todos aqueles que venham a consultá-lo, queiram cada vez mais se aproximar do Senhor e de sua Santa Igreja. Um abraço!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s