Surge a União Sacerdotal Marcel Lefebvre!

Os Sacerdotes da Resistência reunidos em Avrillé decidiram  continuar a FSSPX sob a denominação de União Sacerdotal Marcel Lefebvre. Desde agora ela é a continuação da obra de Mons. Lefebvre. A USML é a verdadeira FSSPX.
O site France Fidele publicará em breve uma Carta aos Sacerdotes redigida pelos padres que assistiram a reunião de Avrillé, que acaba de chegar ao fim.
Deo Gratias!
Fonte: non possumus.
PS: para quem acha um exagero, uma divisão desnecessária, um alarmismo da parte da “linha dura” da FSSPX, que porventura tenha se precipitado e rompido prematuramente com a FSSPX, devo recordar que não somente os da fotografia abaixo, mas conventos e sacerdotes individuais em várias partes do mundo, como a Familia Beatae Mariae Virginis, as Escravas de Maria e o Mosteiro de Santa Cruz aqui no Brasil, o Carmelo São José e a comunidade das Filhas de Maria do Preciosíssimo Sangue, ambos na Alemanha, fora priorados inteiros, como o Priorado São Pio X em Bogotá, e o Priorado Nossa Senhora do Monte Carmelo, nos EUA, sem contar as dezenas de padres da FSSPX ou de comunidades religiosas que escolheram deixar seus ambientes por conta própria (e vários deles expuseram suas razões de desligamento sem nenhum traço de ressentimento, como a digníssima carta de D. Rafael Araziaga (OSB), que saído dos beneditinos americanos, em razão dos mesmos decidirem permanecer com D. Fellay, por outro lado, em momento algum lançou contra sua antiga casa nenhuma censura, mas antes louvou a Deus por todos os bens que a Providência o cumulou entre os seus irmãos de claustro.
Há mais de 75 grupos da Resistência no mundo (segundo o blog non Possumus). Caso consideremos que nos conventos masculinos há geralmente mais de um padre, então o número de sacerdotes é maior, fora os padres egressos da igreja conciliar e que se juntaram à Tradição, como o nosso exemplo brasileiro (que não é o único), o padre Marcelo Gabert Masi.
E paradoxalmente, para os que julgam que o gesto de Monsenhor Williamson não passe de cobiça pelo “poder”, é bom lembrar que vários mosteiros agora resistentes alegaram exatamente que, dentre as várias causas de sua ruptura com a chefia da FSSPX, encontrava-se em segundo plano – mas não menos importante – a violação dos direitos dos religiosos, e as tentativas de Écône em submeter as casas religiosas sob a autoridade plena da FSSPX, como se Menzingen houvesse se tornado a Roma tradicionalista, e monsenhor Fellay o seu pontífice, pretensão sempre terminantemente recusada por monsenhor Lefebvre, que rejeitava o rótulo de líder dos tradicionalistas, ouvia e pedia conselho dos superiores das casas religiosas, e jamais aceitava nenhuma espécie de caso relacionado a qualquer problema no interior destas casas, em que fosse ele quem coubesse resolver, por saber que o papel da FSSPX é de caráter emergencial, porém limitado em conferir os Sacramentos, pregar a Fé Católica e socorrer os fiéis, o que é muito diferente de atribuir qualquer espécie de jurisdição, ou tentar controlar casas religiosas autônomas. A FSSPX não é uma igreja uniata, e nenhum bispo é patriarca de território algum.
Lembro-me que há anos atrás, muito antes desta celeuma, a comunidade dos redentoristas transalpinos resolveu aproveitar o motu proprio de Bento XVI e regularizar-se com Roma, julgando que o reconhecimento da cidadania da Missa de Sempre em si bastava para encerrar o estado de necessidade da Igreja. Isso é falso, assim como o Summorum Pontificum não deu a ninguém coisa alguma que já não houvesse sido garantida pela Bula Quo Primum Tempore, mas a razão deste comentário não é sobre a regularização dos redentoristas. A razão é que na época os redentoristas disseram a mesma coisa que os dominicanos: que a FSSPX tentou “aliciar” alguns de seus membros e formar um outro mosteiro redentorista, sem sucesso. Mas sem entrar no mérito da questão, este gesto foi repetido NOVAMENTE contra os dominicanos de Avrillé, e desta vez, ao que parece, conseguiram tirar do mosteiro cinco sacerdotes que agora estão na Bélgica, e provavelmente construirão um mosteiro concorrente. Para os redentoristas, pode-se alegar que foram de encontro ao modernismo. O que alegam contra os dominicanos, visto que o que está em evidência não é a fé destes, mas a confiança em torno de Monsenhor Fellay? Do que são acusados, para justificar essa nova casa? De serem heréticos, cismáticos, sedevacantistas? Ou de serem resistentes a D. Fellay?
Me pergunto se monsenhor Lefebvre seria acusado de intriga por religiosos, caso estivesse vivo. Quando os monges do Barroux abandonaram a luta pelos princípios, o mosteiro de Santa Cruz certamente não foi fundado por monsenhor Lefebvre, mas foi antes a consequência lógica de seus próprios monges que perderam sua sede para não perderem a fé, e não uma conspiração, onde monsenhor Lefebvre seria seu superior… E segundo consta, os dominicanos evadidos estão sob os comandos de D. Galarreta, aliado de D. Fellay!
Vejam aqui uma resposta relativamente recente dada pelos frades dominicanos de Avrillé a uma série de perguntas de monsenhor Fellay, e percebam a mansidão com que os mesmos respondem ao que lhes é inquirido.
Ademais, não proponho com este tópico sair atacando, nem mesmo ofendendo a nenhum dos fiéis católicos que está na FSSPX. Mas limito-me a dizer que um possivel mau-humor de um punhado de padres e de um bispo parece-me muito pouco para justificar uma quantidade tão absurda de adesões. Seriam estes padres e estas comunidades amigas (vários deles homens idosos e experimentados, sacerdotes idôneos, alguns deles companheiros em vida de Monsenhor Lefebvre) tão negligentes em preservar a unidade comum dos já minguados fiéis tradicionalistas, a ponto de começar do zero, por simples rebeldia, quando já estão muito próximos de entregar a alma a Deus? Tantas dezenas de padres? Freiras Carmelitas? Monges?
Ainda que todos estivessem errados em seu juizo de que a FSSPX sob o governo de D. Fellay e seus assistentes caiu, esses padres certamente não são liberais, e é por questão de consciência que se uniram, para garantir que a obra de D. Lefebvre não seja apagada, afinal de contas o que o bondoso monsenhor sempre quis está gravado em seu epitáfio: TRANSMITI O QUE RECEBI.
Pois que seja, então. Que existam para continuar a obra de D. Lefebvre. E ainda que estejam todos enganados, que existam ao menos como garantia de que a Tradição não será apagada da memória dos homens. Que fardo terrível…
união sacerdotal marcel lefebvre
Missa inaugural, na festa de N. Sra do Carmo (2014), no convento de Avrille

Sobre Bruno Luís Santana

Ego Catolicus Romanus sum.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Surge a União Sacerdotal Marcel Lefebvre!

  1. Pedro Rocha disse:

    Esse é o melhor texto acerca da criação dessa nova União Sacerdotal. Peço que mantenha os católicos informados sobre esse grupo, pois tenho respeito pelos monges de Nova Friburgo/RJ e quero entender melhor o que está acontecendo.

    • Tento apresentar esta nova realidade sendo equitativo com os dois lados, Pedro. Não estou direta nem indiretamente envolvido nestes casos, por isso evito passar para o combate aberto contra a FSSPX de D. Fellay EM BLOCO. Por outro lado, blogs como o non possumus denunciam quase semanalmente vários indícios (para dizer o mínimo) de que há algo de podre na FSSPX, e não tenho visto nenhum desmentido da parte deles. São sempre coisas que à primeira vista não parecem ser essenciais, mas que somando-se a cada semana, não podem ser ignoradas. A verdade é que esta desconfiança em relação à atual FSSPX só vem aumentando a cada semana, mas não começou por conta de nenhum blog ou clérigo ofendido: começou quando Dom Fellay há dois anos, diante do ultimato de Roma disse com todas as letras que “Roma quer um acordo, por nossa vontade não o faríamos agora, mas Roma quer…” como se quisesse dizer que se Roma batesse o pé e decretasse a união de fato – e sem resolver a questão da Fé – ele não faria nada contra essa iniciativa! O entreguismo de D. Fellay chegou ao ponto da carta dos bispos que foi enviada a ele, refreando-o de alguma maneira, o que ele longe de abrir os olhos, replicou. Sim, há algo de errado na FSSPX, algo não vai bem, a confiança foi-se embora. Deixemos que ela tenha uma “concorrente”, porque aí saberemos sempre com quem poderemos contar, caso as piores previsões se cumpram, e acordemos um dia persuadidos de que estamos mergulhados entre liberais.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s