A Medalha Milagrosa de N. Sra. das Graças

Convento da Rue du Bac. Paris, França.

Convento da Rue du Bac. Paris, França.

É em 1806 que começa a história da Medalha Milagrosa. Enquanto a França e a Europa eram conturbadas pela expansão de Napoleão Bonaparte e a revolução, nascia uma menina destinada a uma Divina Missão: Santa Catarina Labouré.
Precocemente órfã de mãe, se encomenda à Santíssima Virgem, que não a desamparará. Sua vocação às Filhas da Caridade se revela de maneira sobrenatural, quando sonha com um padre que mantém os olhos fixos nela ao falar sobre os desígnios de Deus sobre ela. Tempos depois, deparando-se com um quadro no Parlatório das Filhas da Caridade, descobre tratar-se daquele mesmo padre que lhe falara em sonho, São Vicente de Paulo, fundador daquela Congregação.
Aos 23 anos entra para o Postulantado e é agraciada com aparições do Coração de seu fundador, relacionadas, em diferentes momentos, à inocência, à expansão de sua comunidade e a uma funesta mudança no governo. Seu confessor, entretanto, lhe aconselha a não dar atenção àquilo. Seguem-se a essas, as aparições que Nosso Senhor lhe concedia no Santíssimo Sacramento, que, enquanto lhe preparavam a alma para as aparições vindouras, tornavam a revelar-lhe o despojamento das vestiduras reais do “Rei da Terra”, pelas insídias revolucionárias.
Corpo incorrupto de São Vicente de Paulo (1581-1660), fundador da Ordem Lazarista ou Vincentina, e por conseguinte, com Santa Luiza de Marillac, as Filhas ou Irmãs de Caridade.

Corpo incorrupto de São Vicente de Paulo (1581-1660), fundador da Ordem Lazarista ou Vincentina, e por conseguinte, com Santa Luiza de Marillac, das Filhas ou Irmãs de Caridade.

 Cerca de um mês depois, na festa de São Vicente (19 de julho), Santa Catarina com as outras noviças recebe um pedaço de linho do Santo, que ela ingere, adormecendo na esperança de ver, por intercessão dele, a Santíssima Virgem. Ela narra a primeira aparição de 18 de julho de 1830 nos seguintes termos:
Enfim, às onze e meia da noite, ouvi que me chamavam pelo nome: –‘Minha irmã! Minha irmã!’ Acordando, corro a cortina e vejo um menino de quatro a cinco anos vestido de branco, que me diz: –‘Vinde à capela; a Santíssima Virgem vos espera’.
Vesti-me depressa e me dirigi para o lado do menino que permanecera de pé. Eu o segui sempre à minha esquerda. Por todos os lugares onde passávamos, as luzes estavam acesas, o que me espantava muito. Porém, muito mais surpresa fiquei, quando entrei na Capela: a porta se abriu mal o menino a tocou com a ponta do dedo. E a minha surpresa foi ainda mais completa quando vi as velas e castiçais acesos, o que me recordava a missa de meia-noite. Por fim, chegou a hora. O menino me preveniu: –‘Eis a Santíssima Virgem. Ei-la’. Eu ouvi como um som de vestido de seda, que vinha do lado da tribuna, perto do quadro de São José, e que pousava sobre os degraus do altar, do lado do Evangelho, sobre uma cadeira igual à de Sant’Ana.
Nesse momento, olhando para a Santíssima Virgem, dei um salto para junto dEla, pondo-me de joelhos sobre os degraus do altar e com as mãos apoiadas sobre os joelhos da Santíssima Virgem. Ali se passou o momento mais doce de minha vida. Ser-me-ia impossível exprimir tudo o que senti.
Ela disse: –‘Minha filha, o bom Deus quer encarregar-vos de uma missão. Tereis muito que sofrer, mas superareis estes sofrimentos pensando que o fareis para a glória do bom Deus. Sereis contraditada, mas tereis a graça; não temais. Sereis inspirada em vossas orações. Os tempos são muito maus, calamidades virão precipitar-se sobre a França. O trono será derrubado. O mundo inteiro será transtornado por males de toda ordem (ao dizer isto, a Santíssima Virgem tinha um ar muito penalizado). Mas vinde ao pé deste altar, aí as graças serão derramadas sobre todas as pessoas grandes e pequenas, particularmente sobre aquelas que as pedirem. O perigo será grande, entretanto não temais, o bom Deus e São Vicente protegerão a comunidade. Minha filha, eu gosto de derramar graças sobre a comunidade em particular. Eu a aprecio muito. Sofro porque há grandes abusos na regularidade. As Regras não são observadas. Há grande relaxamento nas duas comunidades. Dizei-o àquele que está encarregado de uma maneira particular da comunidade. Ele deve fazer tudo o que lhe for possível para repor a regra em vigor. Dizei-lhe, de minha parte, que vigie sobre as más leituras, as perdas de tempo e as visitas.
Capela das Aparições, convento da Rue du Bac

Capela das Aparições, convento da Rue du Bac

Conhecereis minha visita e a proteção de Deus e de São Vicente sobre as duas comunidades. Mas não se dará o mesmo com outras congregações. Haverá vítimas (ao dizer isto, a Santíssima Virgem tinha lágrimas nos olhos). Para o clero de Paris haverá vítimas: Monsenhor, o Arcebispo (a esta palavra, lágrimas de novo).
Minha filha, a Cruz será desprezada e derrubada por terra. O sangue correrá. Abrir-se-á de novo o lado de Nosso Senhor. As ruas estarão cheias de sangue. Monsenhor, o Arcebispo, será despojado de suas vestes (aqui a Santíssima Virgem não podia mais falar; o sofrimento estava estampado em sua face). –‘Minha filha –dizia-me Ela– o mundo todo estará na tristeza.’
A estas palavras, pensei quando isto se daria. Eu compreendi muito bem… quarenta anos.”
apaição da rue du bac
De fato, quarenta anos depois, em 1870, deu-se a guerra franco-prussiana e a Comuna de Paris, cumprindo-se o que foi predito (e, antes disto, o destronamento de Carlos X, a expansão do anti-clericalismo e a proteção das Filhas da Caridade. Posteriormente, Luís Felipe, rei ilegítimo posto pela revolução no trono, foi por ela destronado. O próximo revolucionário no poder seria Luís Napoleão, que dá um golpe de Estado, passando a chamar-se Napoleão III). As predições se confirmam também com o derramamento de sangue de tantas vítimas, como dissera Nossa Senhora, em especial com o assassinato do Arcebispo de Paris pela Comuna.
Voltemos a 1830, quando ocorreu a segunda aparição quatro meses após a primeira, como narra Santa Catarina:
“No dia 27 de novembro de 1830, vi a Santíssima Virgem, de estatura média, estava de pé, trajando um vestido de seda branco-aurora feito à maneira que se chama ‘a la Vierge’, mangas lisas com um véu branco que Lhe cobriu a cabeça e descia de cada lado até embaixo.
Sob o véu, vi os cabelos lisos repartidos ao meio e por cima uma renda de mais ou menos três centímetros de altura, sem franzido, isto é, apoiada ligeiramente sobre os cabelos. O rosto bastante descoberto. Os pés apoiados sobre meia esfera, e tendo nas a mãos uma esfera de ouro, que representava o Globo. Ela tinha as mãos elevadas à altura do estômago de uma maneira muito natural, e os olhos elevados para o céu. Aqui seu rosto era magnificamente belo. Eu não saberia descrevê-lo. E depois, de repente, percebi nesses dedos anéis revestidos de pedras, umas mais belas que as outras, umas maiores e outras menores, que lançavam raios cada qual mais belo que os outros. Partiam das pedras maiores os mais belos raios, sempre alargando para baixo, o que enchia toda a parte de baixo. Eu não via mais os seus pés.
Na prisão La roquette, em 24 de Maio de 1871, quatro líderes da Comuna (à esquerda) dando a ordem. Logo após, tropas atiraram no arcebispo de Paris, o péssimo Monsenhor Darboy; Padre Deguerry; três padres jesuitas, e no juiz Bonjean, Presidente da Corte de Apelações de Paris.

Na prisão La roquette, em 24 de Maio de 1871, quatro líderes da Comuna (à esquerda) dando a ordem. Logo após, tropas atiraram no arcebispo de Paris, o péssimo Monsenhor Darboy; Padre Deguerry; três padres jesuitas, e no juiz Bonjean, Presidente da Corte de Apelações de Paris.

Nesse momento em que estava a contemplá-la, a Santíssima Virgem baixou os olhos, fitando-me. Uma voz se fez ouvir, dizendo-me estas palavras: –‘A esfera que vedes representa o mundo inteiro, particularmente a França e cada pessoa em particular.’
Aqui eu não sei exprimir o que senti e o que vi, a beleza e o fulgor, os raios tão belos. –‘É o símbolo das graças que derramo sobre as pessoas que mas pedem’, fazendo-me compreender quanto é agradável rezar à Santíssima Virgem e quanto Ela é generosa para com as pessoas que a Ela rezam, quantas graças concede às pessoas que Lhas rogam, que alegria Ela sente concedendo-as. Nesse momento, formou-se um quadro em torno da Santíssima Virgem, um pouco oval, onde havia no alto estas palavras: ‘Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós’, escritas em letras de ouro. Então uma voz se fez ouvir, que me disse: –‘Fazei, fazei cunhar uma medalha com este modelo. Todas as pessoas que a usarem receberão grandes graças, trazendo-a ao pescoço. As graças serão abundantes para as pessoas que a usarem com confiança.’ Nesse instante, o quadro me pareceu se voltar, onde vi o reverso da medalha. Preocupada em saber o que era preciso pôr do lado reverso da medalha, após muitas orações, um dia, na meditação, pareceu-me ouvir uma voz que me dizia: ‘O M e os dois Corações dizem o suficiente’”.
Medalha Milagrosa

Medalha Milagrosa

Em dezembro de 1830, aconteceu a terceira e última aparição, na qual Nossa Senhora traz a mesma vestimenta e o globo de ouro encimado por uma cruz. Dos mesmos anéis ornados de pedras preciosas, jorra, com intensidade diversas, a mesma luz. Conta Santa Catarina:
–‘Dizer-vos o que senti e tudo quanto compreendi no momento em que a Santíssima Virgem oferecia o Globo a Nosso Senhor é impossível de exprimir.’
Como estivesse ocupada em contemplar a Santíssima Virgem, uma voz se fez ouvir no fundo de meu coração: –‘Estes raios são símbolo das graças que a Santíssima Virgem obtém para as pessoas que Lhas pedem’.
Estava eu cheia de bons sentimentos quando tudo desapareceu, como algo que se apaga, e eu fiquei repleta de alegria e consolação”.

Santa Catarina Labouré já idosa. Fotografia tirada três meses antes de sua morte, em 31 de Dezembro de 1876.

Santa Catarina Labouré já idosa. Fotografia tirada três meses antes de sua morte, em 31 de Dezembro de 1876.

A cunhagem das primeiras medalhas, apesar da incredulidade inicial do confessor da santa, acontece 2 anos depois, graças ao encorajamento do Arcebispo de Paris, Monsenhor de Quélen. Nesse momento, estala uma cruel epidemia de cólera, que dizima a população de Paris. Quando essa recua, a cunhagem das medalhas pode começar e, então, se inicia o esplendoroso cortejo de milagres.
Dentre os inumeráveis casos, se encontra o de uma menina, único em sua classe a não usar a medalha e a ser atacada pela epidemia, recuperando-se após a imposição da medalha. Também em Meaux, uma senhora às vésperas de dar à luz e já desenganada, se vê com sua criancinha totalmente curada. Outro prodígio foi o ocorrido com um militar de Alençon, que prestes a falecer respondia com blasfêmias e insultos a todos os incitamentos à conversão que lhe dirigiam o capelão e as religiosas. Quando ninguém mais esperava sua conversão, uma freira havia prendido ao leito uma Medalha Milagrosa. E seis dias depois, o militar declara não querer morrer naquele estado e pede um padre para ouvi-lo em confissão. A conversão do prefeito de Poitiers em 1837, quando estava totalmente longe de Deus e à beira da morte.
Corpo incorrupto de Santa Catarina Labouré

Corpo incorrupto de Santa Catarina Labouré

Dentre os mais admiráveis casos, se encontra a conversão do jovem banqueiro Afonso Ratisbonne, em 1842, judeu de raça e religião, crítico do Catolicismo. Encontrando-se em Roma, por imposição de um amigo seu, o barão de Bussières, aceita levar a medalha ao pescoço e rezar o Memorare todos os dias. Quatro dias depois, ao esperar esse mesmo amigo na igreja de Sant`Andrea delle Fratte, por ocasião de assuntos que o mesmo tratava no Convento anexo, tem uma visão de Nossa Senhora, diante de quem de ajoelha. Pelo olhar que ele lhe dirigiu, ele afirma: “Compreendi tudo”.  Ele, que era judeu e noivo, converte-se ao Catolicismo e torna-se sacerdote jesuíta.

Afonso Ratisbonne, depois de sua conversão, deixou de trabalhar como advogado, ordenou-se jesuíta, criou a congregação de Sião e passou o resto da vida na Terra Santa, empenhado em especial na conversão dos judeus e muçulmanos.

Afonso Ratisbonne, depois de sua conversão, deixou de trabalhar como advogado, ordenou-se jesuíta, criou a congregação de Sião e passou o resto da vida na Terra Santa, empenhado em especial na conversão dos judeus e muçulmanos.

Entretanto, ninguém, nem mesmo a Superiora do Convento da Rue du Bac, nem mesmo o Papa, sabia quem era a religiosa por Nossa Senhora escolhida para canal de tantas graças. Exceto o Pe. Aladel, que a tudo envolvia no anonimato. Santa Catarina, por humildade, manteve durante toda sua vida uma absoluta discrição, jamais deixando transparecer o celeste privilégio de que fora objeto. Para ela importava apenas a difusão da Medalha: era sua missão e estava cumprida! Santa Catarina Labouré faleceu a 31 de dezembro de 1876, na mais profunda humildade, sem que soubessem ser ela a vidente a quem o Céu tinha outorgado tão copiosas graças. Seu corpo, exumado mais de sessenta anos após sua morte, é encontrado intacto até hoje, conservando-se serenos e brilhantes os olhos que contemplaram a Santíssima Virgem.

Sobre Bruno Luís Santana

Ego Catolicus Romanus sum.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s