Nazismo – IV

Nazismo e Socialismo.

O nome oficial do nazismo é Partido Nacional-Socialista operário alemão. Hoje em dia este nome soa como os partidos de extrema-esquerda brasileiros, mas em essência, não está tão distante destas agremiações.

Antes que se questione a afirmação acima, alguém já se perguntou o motivo do Nazismo carregar o nome “nacional-socialismo“?

Se eles eram tão extremistas de direita, porque adotaram e mantiveram o epíteto? Para enganar os povos? Mas naqueles tempos, ao contrário de hoje, na maior parte do mundo – a Europa incluída – ser socialista era antes um estigma do que um valor… Não, não foi por prestígio que adotaram este nome.

O nazismo era ao seu modo socialista.

Hermann Rauschning, antigo oficial prussiano e um dos mais próximos colaboradores de Hitler, em 1939 lançou o livro “Gesprache Mit Hitler“, Hitler me disse, onde várias confissões foram feitas, demonstrando o pensamento do tirano, assim como seu socialismo sofisticado.

Pois o nazismo era criminoso, e era socialisticamente criminoso.

Os campos de concentração nazistas foram a aplicação dos métodos socialistas na produção em massa de cadáveres.

***

Dedico as citações abaixo a todos os que, com ou sem culpa, se deixaram (ou se permitiram) ludibriar pela ditadura ideológica esquerdista que grassa por nosso país. A direita é podre. Mas pior do que a direita, somente a esquerda.

A esquerda dita nossos livros escolares; a esquerda define a pauta do que se propagandeia nas universidades e na mídia; a esquerda possui um trator ideológico que a tudo esmaga, a tal ponto que qualquer questionamento que se afaste de seus dogmas torna o “herege” em questão um leproso, ou melhor, um nazista, um facista, um ditador, um capitalista, um burguês, bla-bla-bla.

Evidentemente, para destruir qualquer reação que vá de encontro aos seus projetos, a esquerda criou a equação nazismo = extrema direita para, com a associação, criar no imaginário popular uma repulsa contra os direitistas.

A diferença de um esquerdista para um direitista é que o primeiro é um revolucionário que chega num carro em alta velocidade; o segundo, um revolucionário que vai de bicicleta; Ambos nasceram da revolução francesa, ambos têm os mesmos princípios; só que os primeiros levam os mesmos princípios às últimas consequências, e os segundos são mais conservadores, mais prudentes, mais tendentes ao apaziguamento. Alguns são até mais reacionários, mas no fim, todos querem um mundo antropocêntrico, onde os princípios de 1789 reinem de alguma forma…

Vejamos então algumas pérolas ditas por Hitler e captadas por Hermann:

Sobre nazismo, socialismo e bolchevismo:

“Não é a Alemanha que será bolchevisada, é o bolchevismo que se tornará uma espécie de nacional socialismo. Aliás, existem entre nós [nazistas] e os bolchevistas mais pontos comuns do que há divergências, e, antes de tudo,o verdadeiro espírito revolucionário, que se encontra na Rússia como entre nós, por toda a parte onde os marxistas judeus não controlam o jogo. Eu sempre levei em conta esta verdade e é por isso que eu dei ordem de aceitar imediatamente no partido todos os ex comunistas” (Adolph Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939,  p. 153. Rauschning foi Governador Nazista de Dantzig, e muito próximo de Hitler).

“A Alemanha e a Rússia [bolchevista] se completam de maneira maravilhosa. Elas são feitas verdadeiramente uma para a outra” (Adolph Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939,  p, 154).

    “Meu socialismo é outra coisa que o marxismo. Meu socialismo não é a luta de classes, mas a ordem (…) Eu vos peço que leveis convosco a convicção que o socialismo, tal qual nos o compreendemos, visa não à felicidade dos indivíduos, mas sim a grandeza e o futuro da nação inteira. É um socialismo heróico. É o laço de uma fraternidade de armas que não enriquece ninguém e põe tudo em comum” (Adoph Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939, p.  201).

E Hitler dizia que aprendera  os ensinamentos da Revolução com os bolchevistas:

“Os ensinamentos da revolução, eis todo o segredo da nova estratégia. Eu os aprendi dos bolchevistas e não tenho vergonha de dizer isso, porque é sempre dos inimigos que se aprende mais”(Adoph Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939, p. 26).

A era da felicidade pessoal acabou. O que nós substituímos a ela é a aspiração a uma felicidade da comunidade”(…)Eis o que eu chamo de felicidade da comunidade. É uma felicidade que somente as primeiras comunidades cristãs puderam experimentar com a mesma intensidade” (Adolfo Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939,  p. 218).

O que Hitler pensava dos tolos que não viam seu socialismo?

Eis aí:

    “Todos esses cegos que nos cercam se hipnotizam, por cobiças superficiais que lhes são familiares; eles se apegam à propriedade, às rendas, ao nível social e às outras riquezas fora de moda. Contanto que tudo isso lhes permaneça acessível, eles acham que tudo vai bem. [É precisamente o seu caso]. O que eles ignoram é que eles mesmos estão centrados num sistema novo, como numa engrenagem de um mecanismo irresistível. Eles não sabem que nós os amoldamos e nós os transformamos. Que significa ainda a propriedade e que significam as rendas? Para que precisamos nós socializar os bancos e as fábricas? .Nós socializamos os homens” ( Adolfo Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939,  pp. 218-219).

Percebem que socializar os homens e as mentes é bem mais importante do que socializar a economia? Porque socializadas as mentes, a socialização da economia fica bem fácil.

Outra citação que consolida a afirmação acima citada:

“Eu não sou apenas o vencedor do marxismo. Se se despoja essa doutrina de seu dogmatismo judeu-talmúdico, para guardar dela apenas o seu objetivo final, aquilo que ela contém de vistas corretas e justas, eu sou o realizador do marxismo” (Adolfo Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939,  pp. 211).

Veja o que disse Hitler:

    “Eu aprendi muito do marxismo, e eu não sonho esconder isso. (…) O que me interessou e me instruiu nos marxistas foram os seus métodos [Exatamente como disse o marxista Boff: que ele aproveitou o método marxista] (…) Todo o Nacional Socialismo está contido lá dentro (…) O nacional socialismo é aquilo que o marxismo poderia ter sido se ele fosse libertado dos entraves estúpidos e artificiais de uma pretensa ordem democratica” (Adolfo Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939,  pp.211- 212).

Veja esta outra definição de Nazismo feita por Hitler:

    “É por isto que lhes digo que o Nacional Socialismo é  um socialismo em devir, que não se completa nunca, porque seu ideal se desloca sempre” (Adolfo Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939,  pp. 214).

Seu aliado Mussolini também merece ter repercutido o seu passado, o que serve para demonstrar de quais fontes esquerdistas estes tiranetes inescrupulosos beberam, antes de serem derrotados e os senhores da “mídia” e da “opinião” terem-no transformado em “extrema-direita”:

Para quem não sabe, Mussolini foi, durante 10 anos, o diretor do jornal oficial do partido socialista italiano, o “Avanti”;

Mussolini proclamou a república socialista de Saló;

Mussolini se chamava Benito Mussolini em homenagem ao revolucionário esquerdista Benito Juarez;

O Fascismo estatizou, isto é, socializou a economia.

Voltando aos nazistas: Goebbles escreveu no Angriff que o nazismo e o comunismo “tinham os mesmos ideais”.

Finalmente, a cereja do bolo: o programa do Partido Nacional-Socialista Operário Alemão – ou seja, do nazismo!

Esse Programa de 25 pontos do Partido Nazista foi feito por Drexler, Hitler e Feder em fevereiro de 1920. Veja o que diz Alan Bullock sobre o programa do Partido Nazista:
O programa era nacionalista e anti-semita, voltando-se ao mesmo tempo severamente contra o capitalismo, os trusts, os grandes proprietários de terras e os grandes magnatas industriais. Todos os ganhos não oriundos do trabalho deveriam ser desapropriados (ponto 11), todos os rendimentos de guerra deveriam ser confiscados (ponto 12); o Estado deveria apropriar-se das companhias e tomar parte nos ganhos das grandes indústrias (ponto 13/14), as grandes lojas de departamentos deveriam ser apropriadas pela comunidade e divididas entre pequenos comerciantes (ponto 16). Estes deveriam ser privilegiados nos negócios públicos. Junto com isso caminhavam, mão na mão, não menos drásticas propostas em prol de uma reforma agrária: desapropriação não indenizada da terra, que seria usada para o bem da Nação, extinção das rendas da terra e proibição da especulação sobre terras (ponto 17)” (Alan Bullock, Hitler – Eine Studie der Tyrannei – 1 – Der Weg zur Macht, Fischer Bücherei, Frankfurt Am Main 1964, pág. 70).

O leitor que busca a verdade das coisas reconhecerá pelo acima exposto que o nazismo é socialista; só não reconhecerão os incapazes e os fanáticos, cegos por seus fundamentalismos ideológicos.

Portanto, que fique claro: nazismo e socialismo eram evolucionistas e socialistas. O partido Nazista chamava-se Partido Nacional Socialista Operário Alemão. Aliás o programa do Partido nazista era muito parecido ao de outros partidos ditos de Trabalhadores, ainda que não alemães.

E o Nazista Goebbles publicou certa vez, no Angriff, uma carta aberta na qual dizia que nazistas e comunistas tinham os mesmos ideais sociais, e que ansiava pelo dia em que pudesse ver os nazistas marcharem, ombro a ombro, com os comunistas, nas ruas da Alemanha.

FIM DA QUARTA PARTE

 

Sobre Bruno Luís Santana

Ego Catolicus Romanus sum.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

5 respostas para Nazismo – IV

  1. luana disse:

    Capitalismo: África inteira em guerra; podreza extrema; guerras em busca de riqueza;

  2. Diego disse:

    “Os campos de concentração nazistas foram a aplicação dos métodos socialistas na produção em massa de cadáveres.” kkkkkk.
    Mas para que finalidade socialista houve essa tal “produção” de cadaveres? Que nóia é essa?

    • Nunca ouviu falar em analogia? Aliás, já que o seu calo é a associação do nazismo com o socialismo no tema genocídio, então poderia citar as produções em massa de cadáveres produzidas diretamente pelos regimes marxistas espalhados por todo o mundo, como o que fez Pol Pot no Cambodja, ou o grande salto para frente chinês, ou o extermínio de milhões de Ucranianos na década de 20.

    • Maxwell disse:

      Por que a Os campos de concentração nazistas queriam produção de cadáveres igual a de grandes fabricas, onde no mesmo o simbolo nazista significa uma engrenagem, a tal que tinha em parte em mostrar ” A nova era industrial Alemã ” onde suas cores também significam a sua bandeira, vermelho, branco, e preto. Assim que vi em outro blog, se eu estiver errado por favor me corrigem. Obrigado

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s