SEXTO E NONO MANDAMENTOS

O sexto mandamento é: Não pecar contra a castidade.

Proíbe atos, olhares e palavras contrárias à castidade.

O nono mandamento é: Não desejar a mulher do próximo.

Proíbe os maus pensamentos e os maus desejos.

Estes dois mandamentos proíbem especialmente a infidelidade de ato e de desejo no matrimônio. O sexto mandamento probe toda luxúria externa e o nono toda luxúria interna. Luxúria é um apetite desordenado dos prazeres contrários à castidade. Querer diretamente satisfazer a luxúria é sempre pecado mortal; nisto não há parvidade de matéria. Quando não se intenta diretamente satisfazer a luxúria, é pecado grave, si, voluntariamente e sem justo motivo, o que se faz influe notavelmente a excitar a luxúria, por exemplo: ler livros inteiramente obscenos, etc.; é pecado leve, se o que se pratica influe levemente; por exemplo: ver figuras pouco modestas, etc. Pensar voluntariamente em cousas desonestas para deleitar-se nelas, mesmo quando não se intente realizá-las, é pecado mortal. Para que o mau pensamento seja pecado mortal é necessário que a pessoa se dê conta claramente que o pensamento é mau e que, apesar disto, queira continuar pensando voluntariamente para deleitar-se nele. Não há pecado, se ao perceber que o pensamento é mau, procura afastá-lo. Nem é também pecado sentir inclinação a cousas más, contanto que não se consinta, nem se fomente esta inclinação.

Os mesmos santos foram tentados com maus pensamentos e más inclinações; mas estas lutas, longe de prejudicar sua pureza, tornaram-na mais bela e meritória.

Na Divina Comédia, Dante pôs os condenados por luxúria a viverem eternamente levados por um vendaval incessante. Gravuras de Gustave Doré (Século XIX)

Estas paixões ou inclinações são efeitos do pecado original. O pecado, pois, está não no sentir a má inclinação, mas sim em consenti-la; isto é, em deixar-se levar por ela, fazendo o que Deus proíbe.

O merecimento da virtude consiste exatamente, na resistência contra as más inclinações embora se sintam com violência, afim de não deixar-se dominar por elas.

Devemos ser castos no corpo e na alma e ter grande respeito à própria pessoa e a do próximo, por ser o templo onde Deus habita com sua presença e graça.

É possível viver castos, porque Deus o manda; e Deus não pode mandar o impossível.

A castidade não é contrária, antes muito favorável, à saúde.

Sobre Bruno Luís Santana

Ego Catolicus Romanus sum.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

3 respostas para SEXTO E NONO MANDAMENTOS

  1. Roberto F Santana disse:

    Passando longe de querer comentar sobre castidade, pois é assunto delicado.
    Gostaria de acrescentar mais um pequeno conceito retirado do excelente missal de bolso de Dom Gaspar Lefebvre edição de 1951;
    6ºMadamento: Guardar castidade nas palavras e obras.
    9ºMandamento: Guardar castidade nos pensamentos e desejos.
    Repete o que ensina sua excelente catequese, só que com outras palavras.

    Continue com o bom trabalho.

  2. Roberto F Santana disse:

    Bruno,
    Somente agora notei que o pequeno missal é uma repetição do que diz seu texto.
    Desculpe pelo engano.

  3. miguel A. Souza disse:

    A virtude da castidade: tão estranha à maioria das pessoas, mas um bálsamo, um refrigério só percebido por aqueles qua a praticam de coração! É o humano e o divino interagindo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s