A Creação

 

A criação e expulsão do Paraíso (Giovanni di Paolo, século XV)

Deus é infinitamente feliz em Si mesmo; de nada necessita, nem de ninguém.

Impelido por sua bondade infinita, creou em seis dias (1) o céu, a terra e tudo quanto eles contêm.

Crear é tirar as cousas do nada.

 

Deus, por sua vontade onipotente, creou o mundo.

 OS ANJOS

Gustave Doré - Ilustração para a Divina Comédia de Dante Alighieri: Paraíso, canto XXXI

 No céu Deus creou os Anjos e os dotou de dons inefáveis.

 

Os Anjos são puros espíritos; não têm corpo.

Satanás, Lúcifer, era o mais belo de todos: mas cheio de soberba, revoltou-se contra Deus, dizendo:

Não servirei! 

O diabo

A terça parte dos Anjos acompanhou a Satanás em sua rebelião.

Miguel, cheio de zelo pela honra de Deus, exclamou!

Quem como Deus?

Lutou contra Satanás e o venceu.

São Miguel Arcanjo

Satanás e todos os Anjos rebeldes foram precipitados no inferno.

Aos anjos rebeldes chamamos demônios.

Antes dos Anjos pecarem não existia inferno.

 Deus creou o inferno para castigo dos demônios e dos pecadores impenitentes.

Os Anjos em prêmio de sua fidelidade, foram confirmados em graça e vêem claramente a Deus.

Embora estivessem no Céu os Anjos não viam a Deus; estavam num lugar de prova como estamos nós agora.

Si os Anjos vissem a Deus, não pecariam.

Deus é infinitamente bom e belo; quem o vê não pode deixar de amá-lo.

A história dos Anjos bons e maus, é para nós uma lição utilíssima que nunca devemos esquecer.

Si servirmos a Deus, imitaremos os Anjos bons e iremos gozar para sempre com eles no céu.

Si pecarmos e não nos arrependermos, imitaremos os demônios e com eles iremos sofrer eternamente no inferno.

Os Anjos são mensageiros de Deus.

Todos nós temos um Anjo Custódio que nos acompanha e guarda continuamente.

Devemos ter grande devoção e respeito ao nosso Anjo da Guarda, procurando evitar o pecado para não ofender a sua santa presença.

Os Anjos bons são representados como formosos jovens com asas, para indicar sua beleza e a rapidez com que se transportam de um lugar para outro.

Os demônios são representados em formas horríveis, para significar sua grande fealdade.

ACRÉSCIMO (29/11/2010) 

(Do livro Luz do Céu (dogma) – Curso de religião para o ginásio – 1º Tomo: O Credo. Livraria da Doutrina Cristã, 1953)

AS CRIATURAS MAIS PERFEITAS 

A escada dos seres. 

Diz com muito acerto um grande poeta: “As coisas criadas são para aquele que as considera bem, uma escada que o conduz ao  Criador!“. 

Observemos os amplos degraus dessa imensa escada: ela se nos apresenta ordenadíssima.

O primeiro lanço é constituído pelos minerais: a terra que pisamos, as pedras, os metais, o outro. No segundo lanço encontramos os vegetais: o humilde musgo, as variegadas flores, a jaboticabeira generosa, a mangueira frondosa. Chegamos assim ao terceiro lanço, o dos animais: a formiga industriosa, o cão fiel, o cavalo doméstico, a fera selvagem…

No alto da escada: o homem. Ele resume em si o que de melhor existe no reino da matéria e lhe acrescenta uma coisa de imenso valor: a alma espiritual.

O último degrau 

A escada, à medida que se sobe, vai-se ampliando e enriquecendo, do menos perfeito ao mais perfeito. Mas antes de conduzir a Deus, ela tem necessidade de um outro degrau ainda, para ser completa. Entre o homem composto de alma e corpo, e Deus, puríssimo espírito, situa-se muito bem o Anjo, espírito puro, superior ao homem e inferior a Deus.

A Fé nos garante que é mesmo assim: Deus criou também os puros espíritos, seres inteligentes sem corpo.

O Patriarca Jacó teve uma visão portentosa: viu em sonho uma escada levantada sobre a terra cujo cimo tocava o Céu. Os Anjos de Deus subiam e desciam por ela.

Dotes dos Anjos 

Sendo puros espíritos, isto é, completamente independentes da matéria, os Anjos não têm todos os obstáculos que nós temos por estarmos presos ao nosso corpo. Dotados de inteligência perspicaz e de profundo conhecimento de um número extraordinário de coisas, são possuidores também de poder maravilhoso. A Sagrada Escritura chama-lhes “virtudes”, “exercitos”… Os Anjos são ágeis e velozes. São invisíveis; e mesmo quando tomam aparências corpóreas para utilidade dos homens, permanecem puros espíritos, felizes na contemplação de Deus. Declarou-o Rafael, o Arcanjo que guiou Tobias, na viagem de ida e volta. Parecia que eu comia e bebia convosco, mas não era assim. Eu tenho um alimento invisível e uma bebida que também não se pode ver.

Uma grande batalha no Céu 

Falando certa ocasião dos Anjos da Guarda dos meninos, Jesus disse o seguinte: “Estes Anjos, no Céu, contemplam sempre o rosto de meu Pai que lá se encontra!” Contemplar sempre o rosto de Deus significa permanecer eternamente no estado de felicidade e graça.

Também nós, no Céu, seremos assim: santos, impecáveis, inabalavelmente fixos no amor perfeito de Deus. Para chegar a esse estado feliz é necessário, porém, passar por uma prova. Para nós a prova é a vida inteira. Durante a vida merecemos o Céu, combatendo o mal e esforçando-nos por escolher, com o auxílio de Deus, somente aquilo que é bom.

A prova por que passaram os Anjos  foi a de mostrar a Deus sua fidelidade e submissão. Eram perfeitamente livres e inteligentes. Podiam escolher. Alguns deles, com um ato de orgulhosa rebelião, disseram: Seremos como Deus“. Haviam-se ensoberbecido com os próprios dons. Chefiava-os o mais belo e talvez o mais dotado de todos: Lúcifer! Seu brado era: “Subirei até ao trono de Deus; tornar-me-ei semelhante ao Altíssimo.

Travou-se então uma imensa batalha no Céu. Miguel, outro esplêndido Arcanjo, com um grito de fidelidade, colocou-se à testa das milícias celestes. “Quem como Deus?“, bradou; e sua fidelidade ao Altíssimo expulsou para o inferno a Lúcifer e aos rebeldes. Os Espíritos fiéis resplandeceram desde esse momento na bem-aventurança e na felicidade.

Desde esse primeiro pecado de soberba e orgulho começou o inferno. Nele ficará para todo o sempre, Lúcifer com seus companheiros rebeldes e todos os que ele consegue arrastar à rebelião contra Deus.

A luta continua ainda 

Terminou porventura a luta? Absolutamente! O demônio, vencido e humilhado, quer desforrar-se de nós. Rói a mais raivosa inveja, ao pensar que um dia iremos para o Céu afim de ocupar o lugar que ele perdeu para sempre. O mundo é o campo onde ele executa suas façanhas. Gira como leão a rugir procurando a quem devorar. Estejamos, pois, em guarda e ofereçamos-lhe toda a resistência.

Não se esqueça: Satanás tem seus sequazes e aliados. Mas Deus tem também seus representantes e amigos fiéis. Trata-se de escolher e de enfileirar-se com decisão ao lado de Deus. E a vitória será nossa.

O demônio, diz São Gregório Magno, é leão terrível ou tímida formiga, conforme formos nós: formiga ou leão.

 

A corte do Rei do Céu 

Os Anjos do Céu são os ministros de Deus. Formam sua corte de esplendor. São legiões sem número. O profeta Daniel que os contemplou ao redor do trono de Deus, diz: “Os seus ministros eram milhares e milhões, estavam às suas ordens“. A Isaías foi permitido ouvir-lhes o canto ininterrupto. É o hino de louvor à SS. Trindade: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos“.

“Consoante uma tradição firmada nos mais abalizados vultos da Teologia, há, entre os anjos, três jerarquias. A primeira jerarquia, que contempla a Deus, abrange os Serafins, os Querubins, e os Tronos. O papel da segunda é cuidar da governança do mundo. Consta das Dominações, das Virtudes e das Potestades. À terceira cabe executar as ordens de Deus. É formada pelos Principados, os Arcanjos e os Anjos. Aliás, designamos a todos indistintamente pela palavra “Anjo”, porque de fato, estão, todos eles, ao dispor de Deus” (Boulanger).

Mas cada um de nós tem um seu Anjo da Guarda. É um anjo que cuida de nós e faz em nosso favor ou em nossa defesa o que a Divina Providência dispôs a nosso respeito.

 

Deveres para com os Anjos.

Os Anjos são criaturas puramente espirituais, muito mais perfeitas que nós. Por se terem mantido fiéis a Deus, são santos. Seu poder ficou demonstrado pela esmagadora vitória sobre Lúcifer. Devemos pois sentir para com eles o mais profundo respeito e a maior veneração.

Particular devoção e afeto devemos alimentar para com nosso bom Anjo da Guarda. É um puro espírito, pertence à corte celeste, mas não se recusa a ficar ao nosso lado.

(…)

Não se esqueça nunca de seu Anjo! Você não o vê. Talvez nem pensa nele. Mas saiba que você lhe causa profundo aborrecimento, toda vez que comete um pecado.

E ele está sempre a seu lado: “Entretenho-me contigo.”  faz chegar a você as boas inspirações; como sentinela vigilante o defende dos perigos do corpo e das armadilhas do demônio. Invoque-o com afeto, especialmente nos perigos. E procure assemelhar-se a ele. Ele é puro. Seja puro você também!

 

 

Sobre Bruno Luís Santana

Ego Catolicus Romanus sum.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

2 respostas para A Creação

  1. Bruno Rangel disse:

    Uma pergunta minha e vou complementar com uma resposta,esse gesto na mão esquerda desse suposto Anjo é um sinal muito comum no ROCK e,um sinal da linguagem dos deficientes auditivos,chega ser contraditório?Deixo até o meu E-mail aqui registrado é minha opinião em cima dessa pergunta?Da mesma forma é querer fazer o Bem virar Mal ou fazer o MAL se tornar o bem?É contraditório da mesma forma que esse gesto deste suposto Anjo com um sinal do ROCK na mão esquerda.

    • Caro Bruno:

      Eu lhe asseguro: a arte fúnebre é muito mais antiga do que o rock n’roll; é mais fácil que os roqueiros tenham imitado as estátuas do que o contrário ser verdadeiro…

      O símbolo de São Pedro, o primeiro papa e apóstolo de Nosso Senhor era uma cruz invertida, em virtude de que o mesmo, quando condenado a ser morto na cruz, reconheceu-se indigno de morrer igual ao Salvador, e pediu que os romanos o crucificassem de outra maneira, sendo assim crucificado de ponta-cabeça.
      A cruz invertida passou então a ser símbolo papal. Mais tarde os satanistas roubaram este símbolo legítimo para simbolizar a contrariedade de Lúcifer.

      Pergunto então: partiu de quem a intenção de transformar o mal em bem e o bem em mal?
      E ainda pergunto: deve a Igreja renunciar a um símbolo legítimo, porque renegados o utilizam mal?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s